Dúvidas

Frequentes

As dúvidas e incertezas são frequentes ao receber o diagnóstico de uma doença crônica, como a artrite reumatóide (AR). A educação do paciente e de seus familiares é de grande importância para o resultado do tratamento. Nosso compromisso é com sua saúde e bem-estar!

“Reumatismo” é um termo popular que se refere basicamente às doenças das articulações, músculos, ligamentos e tendões.

O termo correto é “doença reumática” e engloba um grupo bastante extenso de doenças que podem comprometer não só as articulações e as estruturas adjacentes, mas o sistema imunológico e órgãos nobres (como cérebro, rins, coração, pulmão) podem igualmente estar comprometidos. Por isso é muito importante fazer o diagnóstico correto e precoce da doença reumática, a fim de propor o tratamento efetivo e adequado. Artrite Reumatóide, Artrose, Fibromialgia, Artrite Psoriásica, Espondilite Anquilosante, Gôta, Lúpus Eritematoso Sistêmico, Osteoporose e Doença de Paget são alguns exemplos de doenças reumáticas.

Isso não é verdade. Crianças em tenra idade podem ter diagnóstico de Artrite Reumatóide Juvenil, assim como são as mulheres jovens as mais propensas ao Lúpus Eritematoso Sistêmico e homens jovens são os mais acometidos por Espondilite Anquilosante. A doença reumática mais frequente em idosos é a Artrose, mas doenças reumáticas mais graves, como a Arterite Temporal, também podem acometer pacientes dessa faixa etária.

Em alguns tipos de doenças reumáticas, como Gôta e Artrose, há sim como prevenir. Existem fatores, como peso, alimentação e sedentarismo, que podem ser modificados. Para outras doenças, como Artrite Reumatóide, Lupus e Espondilite não há relato científico de modos de prevenção, pois trata-se de doenças com componente hereditário. Modificar esse padrão genético é tarefa da medicina no futuro. Hoje, ainda não é possível. Não se sabe responder a perguntas como: “Por que não apareceu antes?” ou “Por que não esperou mais para aparecer?”. O que pode e deve ser feito é o diagnóstico precoce e o tratamento adequado e, igualmente precoce, para impedir que a doença progrida.

Artrose ou Osteoartrose é uma doença degenerativa das articulações, ocorrendo, portanto, com o passar dos anos. Conhecida vulgarmente como “bico de papagaio”, em geral aparece depois dos 50 anos e evolui progressivamente, de tal forma que, aos 80 anos, praticamente todas as pessoas apresentam algum grau de degeneração articular. O porquê de algumas pessoas sentirem dor e outras não, também é desconhecido. Há quem descubra que tem bico-de-papagaio na coluna, quando faz uma radiografia por outro motivo qualquer. Do mesmo modo, pequenas deformidades nas articulações das pontas dos dedos, próprias da Artrose (nódulos de Heberden – foto) podem provocar muita dor ou dor nenhuma, dependendo do paciente.

Já a Artrite Reumatoide é uma doença inflamatória, de origem autoimune, que se caracteriza basicamente por inflamação nas articulações, preferencialmente das mãos e dos pés. É uma doença que causa dor articular, rigidez e dificuldade de mobilidade matinal. Além disso, pode provocar deformidades e limitações, caso não seja adequadamente tratada. Como o sistema imunológico está envolvido no aparecimento da doença, sua intensidade varia de acordo com as características genéticas de cada um.

Fibromialgia é uma síndrome dolorosa, cuja característica principal são dores difusas pelo corpo, com duração de mais de 3 meses. Frequentemente está associada a fadiga, distúrbios do sono e labilidade emocional (ansiedade ou depressão). O diagnóstico é essencialmente clínico. Não há exames de laboratório ou de imagem que comprovem a doença. Obs: a figura mostra os “pontos dolorosos” da Fibromialgia.

– Coma moderadamente e tome cuidado com as calorias!
Obesidade e doenças reumáticas não combinam. Este quadro pode sobrecarregar suas articulações.

– Coma alimentos ricos em ácidos graxos e ômega 3 e 9. Esses nutrientes têm propriedades protetoras do sistema cardiovascular e também são anti-inflamatórios. Esses ácidos podem ser encontrados na sardinha, no atum, salmão, arenque, azeite, abacate, aveia, linhaça, castanha do Pará, nozes, avelã.

– Evite alimentos fontes de ômega 6, pois esse tipo de gordura desempenha um papel agravante do estado inflamatório, podendo causar destruição progressiva da cartilagem e do osso, principalmente na Artrite Reumatóide.

– As vitaminas A, E, Zinco e Selênio são nutrientes antioxidantes e atuam no sistema imune, protegendo o organismo contra infecções e reduzem a atividade inflamatória. Estão presentes nos alimentos citados acima e também no leite, carnes e ovos.

– Consuma alimentos de todos os grupos alimentares para obter a maior quantidade possível de vitaminas, minerais e antioxidantes. Eles fortalecerão seu sistema imunológico.

– Quem faz uso de corticóides deve aumentar a ingestão de fontes de cálcio: leite e iogurtes desnatados, ricota, queijo fresco, cottage, queijo de soja (tofu) e vegetais verdes escuros.

– Ingira bastante fibras: verduras, legumes, frutas e cereais integrais (aveia, farelos, linhaça, granola, pães e biscoitos integrais).

– Evite alimentos gordurosos, que podem elevar o colesterol e triglicerídios, como: frituras, maionese, fast foods, carnes gordas, pele de frango, camarão, miúdos, bacon, lingüiça, salsicha, presunto, mortadela, salame, doces cremosos, queijos gordurosos, coco e sorvetes à base de leite.

– Modere o consumo de carboidratos para não elevar o peso e a glicemia: doces, arroz, massas, batata, mandioca, farinhas e pães.

– Restrinja ao máximo a ingestão de refrigerantes e álcool.

– Controle o consumo de sal e de alimentos ricos em sódio: enlatados, sopas prontas, tempero do macarrão instantâneo, temperos e caldos industrializados, salgados e salgadinhos de pacote, queijos ricos em sódio e embutidos.

Cada doença reumatológica tem orientações e cuidados específicos que devem ser discutidos com seu médico. No entanto, uma orientação geral a ser seguida é que a gravidez seja planejada e discutida primeiro com seu médico sobre o momento ideal. É importante que a doença esteja em remissão (controlada) neste momento e que o reumatologista oriente o uso e a descontinuação de alguns medicamentos, quando necessário. O uso de anticoncepcionais e métodos de prevenção também devem ser discutidos com o médico, que poderá orientar a melhor forma para cada caso. Alguns medicamentos imunossupressores podem provocar infertilidade, por isso, em caso de necessidade destes medicamentos, o paciente deve ser informado e possibilidades como congelamento de óvulos ou espermatozoides devem ser discutidos.

O frio ou sensação térmica baixa pode aumentar a sensibilidade e a percepção dolorosa do indivíduo, por isso, alguns pacientes tem a sensação de que a doença “atacou” por causa do frio.

Em primeiro lugar, o termo reumatismo, deve ser evitado, porque engloba muitas doenças reumáticas e é importante saber o nome certo da doença do seu familiar. Cada doença tem uma manifestação diferente e deve ser tratada e pesquisada de maneira diferente. No entanto, existem inúmeras alterações genéticas envolvidas nas doenças reumatológicas autoimunes (como o lúpus, a artrite reumatoide e a espondilite anquilosante), por isso, indivíduos da mesma família podem ter a mesma alteração genética e tem uma chance aumentada em relação a população normal de desenvolver a doença. Mas, na maioria das vezes, este risco é baixo.